Transa!

Transa, nos anos 70, era uma palavra usada demasiadamente, indiscriminadamente,  pra significar inúmeras coisas, ações e atitudes e etc.

Trocar era transar,  trabalhar era trampar e era transar também, namorar era paquerar e era transar.  As coisas bacanas ou não, em geral eram transas.

Transar era o verbo pra toda hora, era pau pra toda obra. Transar era fazer, brincar, curtir…

Eu tô afim de transar um rango massa, ou,  nós estamos transando uns trampos legais, ou transei aquela camiseta numa  jaqueta incrivel!! Ou então, estou transando com aquela menina! Eram expressões muito comuns no dia à dia daquela rapaziada colorida.

Hoje transar significa apenas o verbo transar. Claro que essa historia de  transar sexo sempre  é muito gostosa, muito preserosa… Mas tenho nostalgia dos tempos em que as palavras tinham mais poesia e mais versatilidade,  e as girias tinham tanto charme…

Transar o  amor  tinha um sabor especial de liberdade, transgressão e prazer. Transar era tão bacana! Numa época em que sexo fora do casamento era chamado de amor-livre…

Transa era mesmo uma parada legal, era um lance jóia, era qualquer coisa bacana, ou não!!! Transa era tudo!