Eu quero é botar meu bloco na rua…

Inquietante, enigmático, maluco beleza… Fez um vôo relâmpago pela década de setenta, mas deixou sua marca na nossa música.  Eu viajei de trem, pobre meu pai, cala a boca Zebedeu, eu quero é botar meu bloco na rua…  São algumas de suas pérolas. Morreu precocemente aos 47 anos, vítima da sede de viver tudo e beber todas… Grande Sérgio Sampaio!