Os doces bárbaros…

Gil, Caetano, Betânia e Gal fizeram uma turnê bárbara em 76, compartilhando afetos e sons num lance incrível que emocionou o Brasil.

Com um figurino desbunde, eles interpretaram com primor, músicas que marcaram nossa época.

Numa atitude libertária, misturando psicodelia, fé e muita “viagem”, os doces bárbaros embalaram nossos sonhos e atiçaram nossa imaginação, nosso comportamento… Adoçando e ao mesmo tempo apimentando nossas vidas.

A prisão de Gilberto Gil, que na época mostrou uma lucidez e coerência que sempre foram marcantes e presentes em sua vida, revela o quanto é equivocado essa perseguição ao uso recreativo da maconha. A história mostra a trajetória impecável de Gil. Sua integridade como ministro da cultura, sua competência como  músico, e como o grande artista que ele é, e principalmente a pessoa especial que é Gilberto Passos Gil Moreira …

Quem assistir ao documentário saberá do que estou falando. Quem conhece Gil, também!

Viva os doces bárbaros! Por eles terem acrescentado algo de bom em nosssas vidas. E viva Gilberto Gil,  pela trajetória, pela coragem,  pela liberdade,  por ele ser quem é!

Quanto aquele incidente em Floripa… O depoimento daquele delegado é tão ridículo que parece surreal. Vejam esse documentário…

Provavelmente ele ficou conhecido como o delegado que prendeu Gilberto Gil, mas Gil não ficou conhecido como o artista que foi preso em Florianópolis…

A história não falha.

PS:  Assistam esse documentário na integra! Aqui só postei o trecho da prisão…